A força dos Complexos Culturais de Samambaia e Planaltina

No segundo semestre de 2018 foram abertos às comunidades de Planaltina e Samambaia os Complexos Culturais, frutos de longa luta de artistas e agentes de cultura do DF.

Reprodução: Internet

Inaugurado em 04 de outubro, o Complexo Cultural de Planaltina, projetado peça Administração da cidade, contou com a participação popular e forte apoio dos artistas locais. O espaço, com capacidade para 400 espectadores no teatro/auditório, oferece também salas e galerias internas. Na programação de abertura, que durou três dias, exposições, espetáculos de teatro e dança. batalhas de hip hop e feiras de artesanato encheram o local.

Foto de Marcelo Jr.

Convidado pessoalmente por Guilherme Reis, secretário de cultura do Distrito Federal, após indicação do Conselho Regional de Cultura, o ator, arte-educador e produtor Junior Ribeiro assumiu a gerência de cultura do complexo. No cargo até o final a gestão, Junior se destaca pela produção artística intensa em Planaltina e cidades do DF. Foi dele o espetáculo VIDAS SECAS, produzido pela Cia. Fábrica de Teatro em parceria com o Centro de Ensino Médio 02 da cidade. A peça alcançou inexplicáveis 600 pessoas às três sessões realizadas, obtendo sucesso e forte engajamento da comunidade escolar. Ao final da curta temporada de VIDAS SECAS, o profissional recebeu a ligação de Guilherme Reis em louvor às ações executadas no projeto.  Junior é formado em Educação Artística pela Fundação Brasileira de Teatro – Faculdade de Artes Dulcina de Moraes.

Lançamento do DVD da Via Sacra

O Complexo Cultural de Planaltina recebeu em dois meses diversos eventos. Dentre eles, a Mostra de Cinema e Direitos Humanos, o Lançamento do DVD da Via Sacra 2018, o Festival Parque Sucupira, com 20 bandas de todo o DF e o Projeto I’ll be there homenageando Michael Jackson, envolvendo artistas como Diogo Mafra, Rafael Alves, Pedro Quevedo, Luiza Lapa Fiakra e Grupo Tribo. São apenas dois meses de efetivo trabalho de produção e de 04 de outubro a 10 de dezembro, o novo equipamento cultural abriu suas portas para um público espontâneo de mais de cinco mil pessoas.

EM SAMAMBAIA

Samambaia já é velha conhecida do DF por produzir arte e cultura em modelo de exportação. A cidade já foi parar no cinema, na televisão e leva seu teatro e a cultura popular para diferentes estados e países com as suas famosas quadrilhas juninas.

A luta pelo Complexo Cultural é antiga, tanto que o famoso Sarau Complexo passou por diferentes setores da cidade, sempre defendendo a criação do prédio para abrigar as ações artísticas local. Recentemente, assumiu a gestão de programação do complexo a equipe Imaginário Cultural, que é na cidade modelo de trabalho artístico, oferecendo espetáculos, cursos, tardes de lazer e simpósios aos moradores.

Reprodução: Internet
Foto das redes sociais de Ana Paula Skartazini

Para a inauguração do complexo uma simpática campanha foi criada com o slogan “Sou Complexo”. Se a cena cultural de Samambaia já era forte, pode-se esperar que muita coisa vem por aí. Obviamente, uma das mais singelas homenagens na inauguração é o nome dado ao teatro do complexo, intitulado Teatro Verônica Moreno, em memória à atriz que morreu em 2015 e que deu aulas de teatro para mais de 500 jovens da região entre os nos 1990 e 2000.

Agora, com a inauguração dos complexos, as cidades de Planaltina e Samambaia celebram a possibilidade de uma programação artística continuada, sempre com a força da comunidade e engajamento da classe.

Vida longa aos gestores, aos espaços, aos complexos, à cultura do DF.

Copyright© 2018 | Gazeta Brasília - Jornal Online de Brasília | contato@GazetaBrasilia.com.br